Parceiro Privado

 
     
 

Parceiro Público

 
 
 

Parceiro Privado

 
 

As vantagens de ser parceiro em um projeto

 
 

I – Responsabilidade Social

    O Marketing Social é uma tendência mundial para o mundo dos negócios. As empresas líderes no mercado aliam suas marcas à ações especiais, comprometendo-se com a comunidade, em contrapartida ao apoio que esta lhes empresta.    Soma-se a esse contexto a importância de avaliar as potenciais ações para estabelecimento de estratégias de marketing social com base na capacidade de “ensinar” e não apenas de “assistir”. As ações sociais devem preparar os cidadãos para uma nova sociedade, capacitando-os a trabalhar e desenvolverem competências técnicas de ética e cidadania. É assim que o IFEEC executa suas ações, pensando no futuro de uma cidade através de propostas inovadoras de educação.

II – Incentivo Fiscal

    As doações realizadas por Pessoa Jurídica para entidades sem fins lucrativos que atuem em benefício da coletividade (OSCIP), como o IFEEC, podem ser deduzidas do

 
 

lucro operacional verificado até o limite de 2%, antes de computada a dedução da doação.

    Este benefício somente se aplica às empresas tributadas pelo Lucro Real. A possibilidade de dedução do valor doado como despesa (limitado a 2% do lucro operacional) gera redução do valor sujeito à incidência do Imposto de Renda, Adicional de IR e a Contribuição Social Sobre o Lucro, proporcionando a seus doadores recuperar parte do valor doado.
    Para facilitar o entendimento do mecanismo de benefício fiscal conferido as OSCIP´s, segue quadro exemplificativo abaixo:

        A dedutibilidade das doações está prevista pela Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 e Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2.001, pela qual foi estendida às OSCIP’s a condição de beneficiárias de doações que proporcionam aos seus doadores incentivo fiscal consistente no desconto de até 2% de seu lucro operacional, anteriormente estabelecida pela Lei nº 9.249/95.
        Desta forma, com base nos dispositivos legais acima indicados, a partir do exercício de 2002 as empresas que doarem recursos à OSCIP’s terão a possibilidade de deduzir o valor doado em até 2% do seu lucro operacional, entendendo-se como lucro operacional o resultado das atividades principais ou acessórias que constituam o objeto da pessoa jurídica, beneficiando-se, em contrapartida, da redução da base de cálculo dos tributos incidentes sobre o lucro real.


Clique aqui para ler a lei na íntegra.